QUAL SEU ESTILO DE DECORAÇÃO?

CONTEMPORÂNEO

Traz uma ideia de serenidade, beleza e funcionalidade, além de mostrar-se simples, moderno e clean. É um estilo que pede despojamento nas peças decorativas, combinando as formas arredondadas com as retas. O elemento que mais evidencia o estilo contemporâneo é a linha: detalhes arquitetônicos, tetos altos e janelas nuas, onde cada peça se destaca como individual e única. A mobília tende a ser espaçosa, lisa e com traços simples. O armário costuma ser amplo e embutido, e os ambientes são integrados e versáteis, acolhedores e temporais. As cores principais deste estilo são os neutros, preto e branco. Sendo o preto muito utilizado em pisos, paredes e mobiliários, o que transmite com sutileza, uma atmosfera moderna. Paredes pintadas em tons neutros criam um cenário perfeito para usar e abusar de acessórios coloridos. O mobiliário é liso, limpo e marcado por formas geométricas. Móveis e estofados nas cores preto, branco ou outros tons neutros. Peças simples e organizadas, sem curvas ou excessos de detalhes. Os quadros, as fotos de família e souvenirs são bem-vindos nesse estilo de decoração, mas é preciso comedimento. Paletas de cores claras (principalmente o branco) ou escuras compõem espaços e móveis, em que o desenho limpo e detalhes sutis, quase imperceptíveis, trazem sofisticação e sensação de bem-estar. O Piso de uma casa de estilo contemporâneo deve ser descoberto e liso. Os padrões mais utilizados são madeira, cerâmicas, porcelanatos e cimento queimado. Havendo necessidade de tapetes para o controle de som ou calor, opte por tipos lisos ou com estampas geométricas. O lema do contemporâneo é a frase cunhada pelo arquiteto alemão Mies Van der Rohe no início do século 20: Menos é mais. Hoje, este é o estilo mais usado no mundo todo, pois acompanha a praticidade da vida moderna. Além disso, ele permite mesclar outros estilos, o que ajuda a disfarçar seu ponto fraco: a pasteurização dos espaços. Isto porque a decoração contemporânea pura torna todas as casas iguais. Já, ao inserir objetos de vertentes diferentes, consegue-se dar personalidade aos ambientes. Os designers costumam criar suas peças com metal, cromo, madeira e vidro, combinando muitas vezes diferentes materiais em uma única composição. As linhas e formas, entretanto, continuam dando vazão ao estilo moderno, com linhas retas e curvas gentis. É o estilo que combina a decoração moderna com estilos e conceitos de outras épocas, muita luz natural e mobília sofisticada. A decoração contemporânea é para quem é moderno, elegante e gosta de ambientes funcionais, mas não tem medo de misturar diferentes estilos. A decoração contemporânea é a chance de criar um ambiente único, criativo e original.

MODERNO

O estilo moderno preza por móveis com ângulos retos, cores neutras, um bom espaçamento entre a mobília. Acredita que a cor do ambiente tem que vir através de algumas peças chave e não de uma parede, por exemplo. A decoração moderna é essencialmente clean e, se possível, assinada por algum designer de peso. Apesar de ser extremamente elegante e com uma possibilidade mínima de pecar por excesso, o estilo moderno é considerado por muitos como uma forma muito fria e impessoal de se decorar um ambiente. Embora o nome sugira algo completamente inovador isso não quer dizer que uma decoração moderna precisa ser feita com móveis futurísticos e com designs extravagantes. Esse são sim alguns elementos que podem estar presentes, mas o grande foco é a mistura, a inovação, e o grande apelo para ambientes clean e bem resolvidos, organizados. Há diversas opções para a decoração, como: apostar nas cores neutras e móveis futuristas com linhas retas, ou partir para o oposto com cores fortes e móveis que sugiram um certo movimento ao ambiente. Um bom ambiente moderno é pensado antes de ser feito, é interessante você projetar como ficará sua sala ou quarto antes de sair montando. Além disso, é bem comum que o estilo moderno se misture com o contemporâneo e o minimalista e estes convivam muito bem na mesma casa ou até no mesmo ambiente.

MINIMALISTA

Conhecido pelo lema "o menos é mais" é um estilo que busca apenas o essencial, aliando estética e funcionalidade. O minimalismo valoriza a organização, retirando do espaço tudo o que não for de fato utilizado. Ele se caracteriza pela simplicidade de suas formas, linhas puras, espaços despojados e cores neutras, resultando em um ambiente com equilíbrio e harmonia. É contra toda forma de excesso, saturação e contaminação visual na decoração de interiores. Compreende que todo ambiente decorativo deve ser suave, sereno e com ordem. Ou seja, no minimalismo todos os elementos devem combinar entre si e formar
uma unidade. Esse estilo prefere janelas lisas, rodapés planos, chão com piso sem quebras e mobília clean. Os materiais mais utilizados são: madeira, vidro, inox, espelho, cromado, granito e mármores e os pisos que melhor ornam com ele são os de linóleo, betão, pedra e madeira. Já no que diz respeito às paletas de cores, prevalecem o preto, o branco, o cinza e outras cores neutras que tenham função de ampliar o ambiente. Se preferir uma decoração nesse estilo, eis uma dica importante: os eletrodomésticos são peças decisivas na decoração, pois como esse estilo não gosta de elementos decorativos, são os eletrodomésticos que farão essa função. Isto não quer dizer que não possa existir uma única jarra, livro ou escultura sobre uma mesa ou estante, mas que essas peças não devem ser escolhidas para encher o espaço, mas antes porque são, em si só, uma afirmação ou então porque são absolutamente essenciais para o dia-a-dia. Uma bonita planta numa esquina da sala, uma jarra com ramos de árvore ou uma orquídea em flor sobre uma mesa são sempre boas escolhas, até porque emprestam uma lufada de ar fresco e um pouco de vida, mesmo aos ambientes mais minimalistas.

CLÁSSICO

Estilo que privilegia os espaços amplos e altos. Normalmente associado ao luxo e à padronização, pois pede peças de qualidade e de design assinado. Valoriza a simetria e também as peças antigas. Neste estilo englobamos o francês e o inglês e suas variantes. Caracteriza-se por decorações refinadas, com muito trabalho nos tetos e nas paredes (as famosas boiseries, que se transformaram nos lambris que hoje conhecemos), tapeçarias, lustres de cristal, espelhos, mobiliário entalhado, cores fortes, como dourado, vinho e vermelho e tecidos sofisticados, como seda e veludo. Ele reflete a opulência européia do século 17, com seus castelos e palácios decorados ricamente para sediar grandes festas e banquetes. No que diz respeito ao mobiliário, o estilo clássico prefere móveis de cerejeira e mogno. Destacam-se os detalhes em gesso, as peças douradas, os cortinados longos e os espelhos com molduras talhadas. Dentre as cores mais comuns para o estilo, encontramos o preto, o bordô, o azul marinho, o castanho, o creme e o cru. Os ambientes são vistos como espaços de socialização, por isso, até mesmo o banheiro deve ser decorado para tal fim, contendo, inclusive, cadeiras em seu interior.

RÚSTICO

O estilo rústico possui elementos decorativos singulares. Remete a um regresso ao passado, cuja origem destaca móveis gastos pelo tempo. Assim, podemos associar o estilo rústico às antigas casas de campo. No entanto, o estilo pode ser recriado para qualquer especificidade de ambiente. Suas peças contêm intrinsecamente personalidades e histórias de outros contextos históricos. Além disso, possibilitam uma decoração versátil, aconchegante e de fina beleza. Madeira bruta e escura, em que veios, ranhuras, nós e rachaduras ficam aparentes, é o material que mais caracteriza o mobiliário deste estilo. Mas aqui também são bem-vindas as composições com fibras naturais, como vime, taboa e bambu. São peças de linhas retas e simples, que integram o homem à natureza. Apesar da rusticidade, estes móveis têm trânsito livre em decorações sofisticadas, proporcionando contrastes elegantes. Normalmente as camas são mais estreitas e de madeira e os armários de grandes dimensões. A imperfeição é vista como bela, por isso, muitas vezes a pintura da parede é rústica, as vigas são deixadas à mostra e o mobiliário não combina entre si. As colheres de pau, a cerâmica, o artesanato, e as peças feitas à mão ganham destaque nesse estilo, bem como quadros e espelhos antigos. Na paleta de cores, encontramos as cores de tons de terra, o branco sujo e as tonalidades pastel. Os cortinados costumam ser frescos, claros e discretos.

RETRÔ

O estilo Retrô surge como resposta às tendências e cotidiano de vida dos anos 50, 60 e 70. Por ser uma decoração muito forte, torna-se um desafio aderir a esse estilo tão dinâmico. Mesmo assim, todos os elementos decorativos próprios desse estilo são funcionais e duradouros. Os móveis Retrô possuem características próprias, com linhas simples, porém sofisticadas. Esse estilo costuma ser marcado, por exemplo, por sofás largos e longos, bancos cromados, cadeiras suaves, poltronas arredondadas, superfícies lisas com muito brilho. As peças do estilo Retrô existentes hoje são consideradas móveis de puro design, pois seu traço kitsch é facilmente identificado. Elas podem ser encontradas em feiras e lojas de decoração especializadas em antiguidades. Sejam originais ou de segunda mão, optar pela escolha delas é sempre uma boa alternativa decorativa. Dentre os materiais utilizados, podemos destacar os cromados, os espelhos, a madeira não trabalhada, o lamé e o linóleo, podendo ser misturados independentemente das cores, padrões e texturas. As tonalidades fortes são típicas deste estilo: vermelho, laranja, azul, verde, lilás e cor-de-rosa. Em um ambiente Retrô, é muito comum encontrar as combinações entre as cores, principalmente as combinações entre vermelho, preto e branco. Na preferência por um ambiente mais leve, cores neutras como branco, castanho-claro, bege e creme são recomendados. Todavia, é difícil escolher esse estilo para cobrir as cortinas, almofadas e estofados, pois ele possui padrões ousados, como os axadrezados, psicodélicos, as formas geométricas e até abstratas. Como o papel de parede foi muito usado neste estilo nos anos 50 e 70, sua existência na decoração de interiores se faz obrigatória no Retrô. No caso de optar por pintar as paredes, use tons claros, exceto o branco. Os têxteis mais recomendados são vinil, veludo, rendas e felpo. Para decorar as paredes, os quadros mais adequados são aqueles com formas geométricas, estampadas, ou ainda, os preferidos com ilustrações vintage (fotografias preto e branco) com imagens antigas de artistas de Hollywood, fotografias de revistas antigas, ou uma coleção de discos de vinil. Outro elemento para esse tipo de decoração são os espelhos em grandes dimensões, os tapetes majestosos e felpudos e os azulejos dispostos de forma axadrezada como piso. Na cozinha, o que combina mais com o estilo Retrô são os eletrodomésticos da época. Algumas peças costumam divertir a decoração, como bolas penduradas, candeeiros de lava, esculturas e obras de arte com visuais fortes.  Retrô é algo novo, relançado igual ou semelhante ao antigo, é uma recriação ou reedição. Isso vale para móveis, objetos, roupas, brinquedos, carros, eletrodomésticos etc.

VINTAGE

Vintage vem do termo em inglês que quer dizer “safra de vinho”, portanto os móveis vintage nos dão a ideia de que quanto mais antiga a “safra”, melhor a qualidade. Esse estilo resgata os elementos das décadas de 20 a 60. Geralmente, suas peças são de alto valor por serem originais da época. Na decoração vintage, os objetos, tanto móveis quanto peças do mobiliário, como porcelanas, cristais, luminárias, eletrodomésticos, embalagens etc. são originais da época, podendo ser encontrados ou garimpados em antiquários ou lojas do gênero. Cores conservadoras - beges, cáquis e camelos - recebem o capricho de debruns, botões e texturas e a leveza e alguns elementos, como os pés palitos, as gavetas inclinadas que dispensam puxadores. Sofás horizontais e mais “sequinhos”, as bases torneadas para todo tipo de móveis e os acabamentos contrastantes na madeira.

PROVENÇAL

É o rústico romântico. Estilo romântico caracterizado por cores suaves, estampas florais e mobiliário clássico com acabamentos rústicos. Originado na região de Provença, sul da França, uma região de vida tranquila, cercada de campos de lavanda, montanhas e paisagens iluminadas pelo sol que serviram de inspiração a artistas como Van Gogh, Paul Gauguin e Henri Matisse, se tornou tendência na decoração de interiores. O estilo Provençal surgiu século no XVIII, pelas mãos de camponeses franceses que buscavam ter em casa os mesmos ares da realeza. Com muita criatividade e pouco dinheiro, artesãos recriavam as peças do mobiliário real com madeira clara e barata. No lugar de acabamentos suntuosos, cores suaves, toques levemente desgastados e entalhes mais simples e rústicos. Em meados do século 20 houve o ressurgimento do estilo. Várias peças foram reeditadas e, hoje, a decoração segue os passos daqueles camponeses: Quanto mais rústica a pintura feita nos móveis, mais bonito e original fica. Marcado pela harmonização de cores em tons suaves de azul, verde, lavanda e rosa em estampadas de flores, listras, xadrez e Toile de Jouy, a mais típica estampa deste estilo, que retrata cenas cotidianas em uma só cor. Atualmente, o estilo francês é sinônimo de sofisticação e combina com qualquer tipo de decoração, da mais moderna à tradicional. As condições geográficas do sul da França se aproximam do Brasil pela exuberância da natureza e, justifica a opção da escolha, principalmente em projetos de praia ou campo. O estilo vindo da Provence mostra-se preferido para os quartos, sobretudo de bebês, por suas cores e detalhes suaves e românticos.

Entre em contato com a GRAZIELA LARA interiores para seu próximo projeto.

 

©2019-2020 por GRAZIELA SILVEIRA interiores. Orgulhosamente criado com Wix.com